Home Sobre Linhas de Pesquisa Blog Oportunidades Fotos Equipe Publicações
PhoneWhite01.svg EmailWhite01.svg InstagramWhite01.svg
Home / Blog / Dor neuropática gera comportamento de ansiedade em camundongos
Dor neuropática gera comportamento de ansiedade em camundongos

Resultados são consistentes com níveis de ansiedade em pacientes com neuropatia diabética

Diversos estudos têm demonstrado forte relação entre a dor neuropática crônica e comportamentos tipo-ansioso e depressivo. A associação dessas doenças fica ainda mais grave quando acontece em pacientes jovens. Isto porque elas podem prejudicar o desenvolvimento neural, que ainda não está finalizado nesta fase da vida. Porém, ainda não se sabe ao certo como se dá a relação causa-efeito nestes casos. Sendo assim, é muito importante entendermos este processo para que novos alvos terapêuticos possam ser explorados. O estudo em questão utilizou dados pré-clínicos e clínicos para caracterizar a relação entre a dor neuropática e o comportamento ansioso e depressivo.

Camundongos C57Bl/6 machos e fêmeas foram utilizados com 9 semanas de idade. Parte deles foi criada em condições normais (naïves) e a outra parte passou por um estresse crônico, podendo ser o estresse de separação materna, nado forçado em água gelada, redução do espaço da gaiola, privação de água, iluminação da gaiola durante a noite, entre outros. Em seguida, os dois grupos de machos ou fêmeas (naïves e estressados) foram re-divididos para passarem ou não por uma cirurgia de lesão do nervo isquiático para gerar a dor neuropática. Sendo assim, ao final do experimento existiam 8 grupos: os que não passaram nem por cirurgia nem por estresse (naïves/naïves); os que passaram apenas por uma das condições (naive/cirurgia; estresse/naive); e os que passaram pelas duas situação (estresse/cirurgia). Por fim, foram realizados testes para mensurar a sensibilidade a um estímulo doloroso (mecânico e térmico) e para testar os níveis de ansiedade dos animais (labirinto em cruz elevado, caixa claro-escuro e holeboard).

Foi observado que em ambos os sexos o estresse causou um aumento no comportamento tipo-ansioso, porém este aumento foi maior nas fêmeas do que nos machos. Além disso, foi visto que, a longo prazo, os animais que passaram pela cirurgia e, portanto, apresentavam dor crônica, desenvolveram comportamento tipo-ansioso independentemente de terem passado por um estresse prévio. Isso demonstra que realmente existe uma associação entre dor e ansiedade.

Por fim, foi realizada uma análise multivariada com pacientes com neuropatia diabética. Os participantes foram submetidos a um exame neurológico, testes sensoriais quantitativos, estudos de condução nervosa e biópsia de pele para avaliação da densidade das fibras nervosas intra-epidérmicas. Além disso eles responderam a questionários que avaliaram seus níveis de ansiedade. Foi observado que os pacientes que apresentavam níveis elevados de dor geralmente também apresentavam maiores níveis de ansiedade. Além disso, foi visto que a maior parte destes pacientes eram mulheres. Sendo assim, os dois estudos, clínico e pré-clínico, obtiveram resultados consistentes, dando grande confiabilidade ao artigo apresentado.

Arthur Alves Coelho

Referência: SIEBERG, Christine B. et al. Neuropathic pain drives anxiety behavior in mice, results consistent with anxiety levels in diabetic neuropathy patients. Pain Reports, [s.l.], v. 3, n. 3, p.1-11, 2018. Ovid Technologies (Wolters Kluwer Health). http://dx.doi.org/10.1097/pr9.0000000000000651

 

Powered by: Cloud Comp
Nós respeitamos a sua privacidade
Nós utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.
Eu concordo
Aviso
WidgetCloseButton01.png
Parece que você está offline ou o serviço que você está tentando acessar não existe!
Por favor, verifique a sua conexão com a internet!
Fechar
Aviso
WidgetCloseButton01.png
Ops, algo deu errado!
Fechar